quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A vala comum de um governo das mudanças


É de se estranhar o silencio do ex-presidente Lula quanto ao julgamento, pelo STF, dos petitas e aliados que integravam seu governo, e no momento em que se confirma a condenação do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), na época presidente da Câmara dos Deputados, pessoa chave da presidência da república, para dar vazão aos desejos e demandas do governo.

Quando o ex-presidente Lula diz que o Mensalão não existiu, tem um pouco de verdade nisso, pois não fazia parte do seu programa oficial de governo, ou seja, não estava no orçamento da união, por ser recurso não contabilizado, nãopoderia existir de forma clara e honesta mesmo.

Sua existência está na obscuridade, nas profundezas da gestão fraudulenta do dinheiro público, sendo que, o gestor mor não poderia jamais aplicar sua chancela ou admitir sua essência, pois ao confirmar tal ato jogará na vala os poucos que acreditaram ser o governo das mudanças.

De Júlio Cunha

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Em Fortaleza, Clinton cobra ações de defesa ambiental


OAK_7734.jpg

Ex-presidente americano destacou o terceiro setor como fundamental para resolver os grandes problemas mundiais como saúde, educação e meio ambiente


O ex-presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, esteve nesta segunda-feira (27) em Fortaleza, no Ceará, proferindo para uma seleta plateia de 2 mil pessoas a palestra “Sustentabilidade Global”. Na exposição de 90 minutos, Clinton destacou o terceiro setor como fundamental para resolver os grandes problemas mundiais como saúde, educação e meio ambiente.
 
Clinton elogiou o Brasil na reconstrução do Haiti, na recuperação da economia e na diminuição das desigualdades sociais. Chegou a declarar amor ao País, mas cobrou mais ações em defesa do meio ambiente e da produção de energia limpa.
 
O ex-presidente dos EUA disse que ama a política, "mas nós devemos sempre debater duas coisas: o que você vai fazer e quanto você vai gastar para fazer". Segundo ele "não importa quanto dinheiro você tem, o importante é como você vai fazer para mudar a vida das pessoas".
Ele não falou sobre as eleições presidenciais norte-americanas deste ano, mas lembrou que quando foi presidente (1993-2001) conseguiu "economizar muitas florestas". Para ele "essa foi nossa maior contribuição" e cobrou do Brasil ações para defender a Amazônia. "O que o Brasil está fazendo em relação ao meio ambiente, o mundo todo está de olho". E foi além dizendo que a floresta amazônica produz 20% do oxigênio do mundo e que está sofrendo com a degradação.
 
Clinton esteve em Fortaleza a convite da Universidade de Fortaleza (Unifor). De lá ele segue para Belém (PA), onde na noite desta segunda-feira deve falar para mais de 3 mil contabilistas no 19º Congresso Brasileiro da categoria. Com o tema “Abraçando a nossa humanidade comum”.

De Tecnologia & Meio Ambiente, ISTO É

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Ministros de Dilma liberam verba para próprias propostas


Ao assumir seus cargos após a chamada "faxina ética" promovida pelo Planalto, os ministros da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho (PMDB-RS), e do Trabalho, Brizola Neto (PDT-RJ), usaram a caneta de suas pastas para pagar emendas parlamentares propostas por eles mesmos no Congresso, quando ainda eram deputados.
Um terceiro ministro, Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), da Integração Nacional, reservou fatia generosa de recursos destinados por sua pasta para agraciar, em ano de campanha, projeto apadrinhado pelo seu filho, o deputado federal Fernando Bezerra Coelho Filho (PSB-PE), candidato à Prefeitura de Petrolina.
Na Agricultura, Mendes Ribeiro já pagou R$ 1,2 milhão para emendas de sua autoria em 2012 - ele figura entre os quatro maiores beneficiados com recursos. O dinheiro foi repassado em maio para seis municípios do Rio Grande do Sul nos quais o ministro teve boa votação em 2010: Passa Sete, Segredo, Doutor Ricardo, Barros Cassal, Salto do Jacuí e Tunas - os últimos quatro municípios são administrados pelo PMDB, partido do ministro. Segundo o sistema controle orçamentário do governo, os recursos liberados bancaram projetos de "desenvolvimento do setor agropecuário".
...

De Política, O POVO, CE

sábado, 25 de agosto de 2012

Anatel determina gratuidade nas ligações de orelhões da Oi

As ligações locais para telefones fixos feitas em orelhões da operadora Oi em 2.020 municípios não poderão ser cobradas. A medida, determinada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), faz parte do Plano de Revitalização de Telefonia de Uso Público, que começou em agosto de 2011.

A Anatel exigiu de cada uma das concessionárias um plano de vistoria e reparo dos orelhões e melhoria nos sistemas de supervisão. Como a Oi não atingiu integralmente os objetivos do plano, especialmente em relação à densidade de orelhões por número de habitantes e aos reparos nos telefones, foi feito um acordo com a agência para isentar a cobrança da ligação. A gratuidade vale até outubro ou dezembro, de acordo com o problema apresentado pela operadora em cada cidade. A Oi tem atualmente 760 mil orelhões no país.

Desde abril, a mesma proibição de cobrança foi determinada para a Embratel, nas chamadas nacionais de longa distância feitas por meio do código 21 nos 1,5 mil orelhões sob responsabilidade da concessionária. A medida, que vale até 31 de dezembro, foi decidida pela Anatel por causa do desempenho insatisfatório da concessionária na execução do plano de revitalização da telefonia de uso público.

Segundo o superintendente de Universalização da Anatel, José Gonçalves Neto, a estimativa de investimentos de todas as operadoras para o cumprimento do plano de revitalização é R$ 205 milhões. A Oi deverá investir R$ 170 milhões para revitalizar os orelhões do país.

Neto garante que as medidas impostas pela Anatel têm surtido efeito na melhoria da disponibilidade do serviço no país. No caso da Oi, o índice de planta ativa de orelhões era 70% em setembro do ano passado e em junho deste ano passou para 86%. O índice da Embratel passou de 50% para 69% e da Telefônica subiu de 70% para 91%.

De Agência Brasil, A GAZETA, MT

O pacote certo foi lançado, que pena, no estado errado

É muito bem-vindo o Programa de Investimentos em Logística anunciado pela presidente Dilma Rousseff, pois o vultoso aporte de R$ 133 bilhões e os empreendimentos previstos em rodovias e ferrovias estão bem dimensionados ante o desafio de resgatar nossos graves problemas de infraestrutura. Também se mostra adequado o modelo de gerenciamento, com a instituição de uma empresa para o seu planejamento e operacionalização.  

Como conceito, é igualmente correta a opção pelas parcerias público-privadas (PPPs), com a devida clareza de responsabilidades, cabendo ao governo o planejamento e a fiscalização e à iniciativa privada, a execução e operação dos serviços. Outro aspecto positivo refere-se ao critério básico da licitação, de prevalência da menor tarifa para o transporte de cargas, no caso das ferrovias, e pedágio mais barato, no tocante às rodovias. Também parece pertinente o plano de integração dos distintos meios de transporte em terminais intermodais.
Em termos de concepção, planejamento e modelo de concessões, o pacote lançado pela presidente é exemplar. Contudo, como já ocorreu com numerosas outras iniciativas no país, dentre elas o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), corre sérios riscos de não se efetivar integralmente, ou pior, concretizar-se num percentual muito baixo em relação ao total dos investimentos previstos. 

Explico: para seu pleno sucesso, o plano precisa da adesão dos empresários, mas estes, por mais que reconheçam o potencial de negócios atrelado à infraestrutura, continuam premidos pelo ceticismo crônico que o Estado anacrônico suscita nos investidores. Burocracia exagerada; necessidade de interagir com cinco, seis ou mais organismos públicos para o desembaraço de autorizações, documentos e procedimentos corriqueiros; incertezas quando à continuidade e conclusão dos projetos, não só em decorrência de barreiras ambientais (às vezes mais realistas do que os próprios conceitos ortodoxos da sustentabilidade), como também devido à conhecida insegurança jurídica; carga tributária muito elevada; e a conhecida cultura de criar dificuldades para vender facilidades.  

Tais problemas emperram a relação entre os setores produtivos e o Estado, contrariando a lógica mais contemporânea do capitalismo democrático quanto ao papel governamental de indutor dos investimentos, do crescimento econômico e do desenvolvimento. Se esses obstáculos não forem removidos, num choque de eficiência da gestão estatal, serão um entrave também para o pertinente e bem elaborado pacote de infraestutura.  

O chamado “espírito animal” dos empresários não é aguçado apenas pelas boas intenções e programas academicamente irrepreensíveis. Somente desperta e vibra mediante a certeza de que barreiras inadmissíveis na atualidade elevem o risco dos investimentos a patamares radicalmente acima dos padrões razoáveis do capitalismo. Infelizmente, persistem no Brasil fatores desestimulantes do empreendedorismo. Vamos removê-los?


De Antoninho Marmo, EM TEMPO, AM

Menina eternizada em foto de Sebastião Salgado ainda é sem-terra



À esquerda, foto feita por Sebastião Salgado em 1996; à direita, Joceli hoje, em acampamento do MST

Aos cinco anos de idade, Joceli Borges foi retratada pela famosa câmera de Sebastião Salgado ao lado dos pais, que peregrinavam pelo interior do Paraná em busca de um lote de terra.
Aquele rosto sujo de olhar provocativo virou capa de livro e ganhou espaço na mídia, em museus e em galerias do Brasil e do exterior.

Passados 16 anos, a jovem de 21 anos continua uma trabalhadora rural sem terra.

Vive com o marido e a filha em um acampamento do MST e diz ter dois sonhos: um lote e dois exemplares do livro que espalhou sua imagem mundo afora. "Um pra mim e outro pro meu pai."
O livro "Terra", com o rosto de Joceli na capa, foi lançado em abril de 1997. Além de uma centena de fotos em preto e branco do meio rural brasileiro, o trabalho traz texto de José Saramago e vem acompanhado de um CD com músicas de Chico Buarque.

À época, os sem-terra marchavam pelo país para lembrar o primeiro aniversário do massacre de 19 sem-terra em Eldorado do Carajás (PA), invadiam propriedades aos montes e colocavam a reforma agrária em destaque.

Hoje o tema sumiu da agenda do governo federal, e, muito por conta da consolidação do Bolsa Família, os sem-terra não têm mais aquele exército de militantes.


De Paulo Cezar Farias, FOLHA

Ueba! Dilma é o Kung Fu Panda!

Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República! E o Russomano na sabatina da Folha? Com aquela cara de mundo cão atropelado? "Gostaria de ver uma igreja em cada quarteirão." Já tem! Então ele não anda pela cidade. Já tem uma igreja em cada rua e com cada nome esquisito!

Um amigo entrou apressado na padaria, foi logo pedindo um litro de leite e aí reparou que o padeiro tava de terno e gravata. A padaria tinha virado uma igreja. Rarará!

E a Dilma na capa da "Forbes"? Tá parecendo o "Kung Fu Panda"! A terceira mulher mais poderosa do mundo! Ou seja, bronze. Bronze para o Bronzil! E adorei a lista das mais poderosas do mundo: 1) Angela Merkel. 2) Hillary Clinton. 3) Dilma Rousseff. E em 82) Gisele Bündchen. Agora bota todas peladas e refaz a lista. Rarará! Classifiquem de novo. A Angela Merkel tá com cara de ressaca de Oktoberfest! A Hillary tomou Cornil e o chifre sumiu.

E a Dilma usou botoshop: botox com Photoshop. Rarará!

E o mensalão, mensonão, mensoneca? Manchete do Sensacionalista: "Lewandowski diz que João Paulo Cunha não estava lewandowski nada". Rarará! E o Hilário Eleitoral? O Otário Eleitoral! Diz que o Lula virou o Louro José do Haddad!

E o Serra é tão feio que quando ele nasceu, botaram insulfilme no berçário! E o Haddad é um candidato que assombra. À sombra do Lula! Devia mudar o nome pra Halula ou Haddula. Hadula o Lula! Rarará! E o Serra: "Eu sou apaixonado por São Paulo". Mas prefere Brasília! Rarará!
É mole? É mole, mas sobe!

E os vereadores? Festival do Cabelo Tingido. Em menos de meia hora apareceram uns dez Nelson Rubens! E aquelas gravatas que batem embaixo do umbigo? Tipo babador de rola! Rarará!

E aquele que apareceu dizendo: "Votem em Miguel! Dona Marisa me deu o terno da posse do Lula". Pode, Arnaldo? Isto é que é gostar do marido: pega o terno da posse e dá pro outro. Ou então quis se livrar do karma! Leva essa desgraça daqui! Rarará!

E este: Wadão e o Jegue Dente de Ouro! Quem tem dente de ouro, o Vadão ou o jegue? Rarará!
A situação tá ficando psicodélica. Acho que o Brasil tomou um ácido no café da manhã! Nóis sofre, mas nóis goza!

Que eu vou pingar o meu colírio alucinógeno!


De José Simão, FOLHA

Vazadas fotos de Dirceu nu em hotel de Brasília

 
Em nota, Paulo Maluf disse que não está nem nunca esteve atrás de José Dirceu


ASA SUL E ASA NORTE – Um site maledicente de fofocas vulgares divulgou ontem à noite fotos de José Dirceu nu numa suíte de luxo na capital federal. Numa das imagens, o ex-ministro aparece na frente de uma pessoa não identificada, tapando com as mãos seu montante não contabilizado. Em outra imagem, Dirceu está de costas, abraçando uma maleta, com o caixa dois à mostra.

De acordo com o site vil, repugnante, infame e ordinário que vazou as fotos, Dirceu estaria participando de um strip-poker com deputados da base aliada. Ele nega. "Inventa quem diz que o mensalão é meu. Pior ainda são os que me acusam sem provas de ser o rei do mensalinho", disse Dirceu, de terno e gravata, durante entrevista coletiva, acompanhado de seus 27 advogados.

De olho roxo, um ex-deputado que estava no hotel confirmou que Dirceu era o dono do jogo. "Era ele quem distribuía as cartas e os cargos", explicou. Este i-Herald apurou que Dirceu ficou nu depois de apostar a presidência da Petrobras e duas diretorias do BNDES numa mão em que saíra com dois valetes. Valdemar da Costa Neto, que estava com uma trinca de damas, pagou para ver e deixou o ex-ministro como veio ao mundo. "O Dirceu nunca foi bom de blefe", comentou o deputado. "Mas logo o Delúbio apareceu com uma mala e bancou mais um cacife", explicou.

Na manhã de hoje, a direção do PT deu sua versão sobre o incidente. "O companheiro Dirceu estava com calor. Ninguém suporta mais esse clima seco de Brasília. Além disso, que mal há em se divertir um pouco com coleguinhas de partido? Vocês nunca brincaram de médico?", indagou o presidente do PT, Rui Falcão.

A seguir, disse: "Se fosse num país sério, essa imprensa pornô-burguesa já estaria fechada e o jornalista estaria no paredão".

Ao examinar as imagens, Joaquim Barbosa disse que elas lhe causavam espécie.

Em depoimento à PF, a empresária do ramo de entretenimentos Jane Mary Corner disse que nunca chegou perto do mensalão de Dirceu.


De The i-Herald, REVISTA PIAUÍ


Lewandowski absolve espanhola que restaurou quadro do Cristo